A produção de uma máquina de guerra na criação estética do RAP

Katia Maheirie, Leandro Almir Aragon, Marcelo Felipe Bruniere

Resumen

Neste artigo analisamos a criação estética do coletivo de RAP Arma-Zen PRN em sua potência política. Para tanto, partimos do conceito de política em Rancière e do conceito de máquina de guerra em Deleuze e Guattari. As informações foram produzidas por meio de duas entrevistas coletivas realizadas com o coletivo musical, postagens do coletivo e seus membros em redes sociais, imagens de divulgação e letras de músicas. Estas informações foram analisadas a partir da análise do discurso, com base nas informações e na bibliografia estudada. A performance estética deste coletivo se dirige à invenção de um outro modo de ser no mundo que descristaliza experiências. Por fim, encontramos a produção de uma máquina de guerra-pacificadora que visa produzir um modo de ser que combina a potência combativa e revolucionária da arma à potência criadora do zen.

Palabras clave

Música; Política; Estética; Máquina de guerra

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))
Copyright (c) 2017 Katia Maheirie, Leandro Almir Aragon, Marcelo Felipe Bruniere