Ética ficcional-cartográfica: a procura humilde e a força frágil

Francine Delavald Bottoni, Luis Artur Costa

Resumen

Este artigo é um ensaio teórico-metodológico, no qual se problematiza a estratégia metodológica da cartografia-ficcional focando na questão ética de tal prática em sua invenção de mundos. Postura ética aqui operada na ficção-cartográfica pelos conceitos de procura humilde (Clarice Lispector) e de força frágil (Friedrich Nietzsche). A criação de uma personagem ficcional (Helena) delineia-se como ferramenta que possibilita o desvio heterotópico na construção do campo problemático e do corpo-pesquisa. Postura ética de experimentação e construção de problematizações que conduz a desvios e reinventares dos nossos regimes de dizibilidade e visibilidade. Cartografia e ficção agenciam-se em uma escrita heterotópica: possibilitando outramentos, desvios e deslocamentos em relação aos objetos dados.

Palabras clave

Cartografia; Ficção; Ética; Metodologia

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))
Copyright (c) 2018 Francine Delavald Bottoni, Luis Artur Costa