Ensayando lugares de escucha: diálogos entre la psicología y el concepto de lugar de habla

Melina Garcia Gorjon, Danielly Christina de Souza Mezzari, Laura Pampana Basoli

Resumen

Com o intuito de responder eticamente a demanda de emergência dos lugares de fala, problematizaremos neste trabalho o “lugar de escuta” desde as posições de privilégios. Fazemos um jogo com o conceito “escuta” da psicologia, a “escuta terapêuti-ca/psicológica”, para ir mais além do termo restrito ao instrumento dos psicólogos e tra-zer a urgência da escuta enquanto um exercício de “alteridade”. Fazemos um movimen-to interdisciplinar de aliar um conceito que vem dos estudos feministas com outro prove-niente do campo da psicologia pois acreditamos que tal diálogo é extremamente impor-tante para uma psicologia contemporânea que se posicione política e eticamente diante das opressões de gênero, raça e classe. Acreditamos também que tal discussão pode con-tribuir para uma melhor compreensão da questão do lugar de fala, tão debatido atual-mente.

Palabras clave

Psicologia; Feminismo; Lugar de Fala; Alteridade

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias

Alcoff, Linda (1991). The problem of speaking for others. Cultural Critique, 20, 5-32. https://doi.org/10.2307/1354221

Bento, Maria (2002). Branquitude – o lado oculto do discurso sobre o negro. In: Iray Carone & Maria Aparecida Silva Bento (Orgs.), Psicologia social do racismo (pp. 147-162). Petrópolis: Vozes.

Butler, Judith (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade (Tradução: Renato Aguiar). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Carneiro, Sueli (2003). Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na américa latina a partir de uma perspectiva de gênero. Estudos avançados, 17, 117-132. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v17n49/18400.pdf

Costa, Claudia de Lima (2002). O sujeito no feminismo: revisitando os debates. Cadernos Pagu, 19, 59-90. https://doi.org/10.1590/s0104-83332002000200004

Freire, Paulo (2002). Pedagogia da autonomia. Disponível em: http://plataforma.redesan.ufrgs.br/biblioteca/pdf_bib.php?COD_ARQUIVO=17338

Gorjon, Melina. G. (2018). Os ventos do norte não movem moinhos: arte contemporânea e feminismos descoloniais/decoloniais. 148 f. Dissertação de Mestrado inédita. Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/157346/gorjon_mg_me_assis_int.pdf?sequence=3&isAllowed=y

Guatarri, Félix (1990). As três ecologias (Tradução Maria Cristina F. Bittencourt). Campinas: Papirus. Disponível em: http://escolanomade.org/wp-content/downloads/guattari-as-tres-ecologias.pdf

Haraway, Donna (1995). Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, 5, 7-41. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773/1828.

hooks, bell (2004). Mujeres negras: dar forma a la teoria feminista. In: bell hooks, Avtar Brah, Chela Sandoval, Gloría Anzaldúa (Orgs.), Otras Inapropriables. Feminismo desde las fronteras (pp. 33-50). Madrid: Traficante de Sueños.

Kilomba, Grada (2010/2012). A Máscara (Trad. por Jessica Oliveira de Jesus). Disponivel em: https://www.revistas.usp. br/clt/article/viewFile/115286/112968

Lorde, Audre (1977/2017). A transformação do silêncio em linguagem e ação (Palestra proferida no painel “Lesbianismo e Literatura” da Modern Language Association, em Chicago, Illinois, dezembro de 1977) [Entrada de blog]. Disponível em: https://transformativa.wordpress.com/2017/01/31/a-transformacao-do-silencio-em-linguagem-e-acao-audre-lorde/

Mombaça, Jota (2017a). Notas estratégicas quanto aos usos políticos do conceito de lugar de fala. [Entrada de blog]. Disponível em: http://www.buala.org/pt/corpo/notas-estrategicas-quanto-aos-usos-politicos-do-conceito-de-lugar-de-fala

Mombaça, Jota (2017b). Palestra proferida no Ciclo de Conferências “Vozes do Sul: lugar de fala. [Post de Facebook] Disponível em: https://www.facebook.com/jeferson.isaac/videos/1565383996857643 .

Mombaça, Jota (2017c). A coisa tá branca. [Entrada de blog]. Disponível em: http://www.buala.org/pt/mukanda/a-coisa-ta-branca

Ribeiro, Djamila (2017). O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento.

Rolnik, Suely (1992). À sombra da cidadania: alteridade, homem da ética e reinvenção da democracia. Disponível em: http://www4.pucsp.br/nucleodesubjetividade/Textos/SUELY/homemetica.pdf

Saffioti, Heleieth (2000). Quem tem medo dos esquemas patriarcais de pensamento? Crítica Marxista, 11, 71-75.

Scherma, Camila Caracelli (2013). As Ciências Humanas como um lugar de escuta, de diálogo, de encontro de vozes. Em II Encontro de Estudos Bakhtinianos. São Carlos, São Paulo, p. 54-57. Disponível em: https://2eeba.files.wordpress.com/2013/09/as-cic2acncias-humanas-como-um-lugar-de-escuta-de-dic3adlogo-de-encontro-de-vozes-camila-carecelli-scherma.pdf

Scott, Joan (1990). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação e Realidade, 16(2), 5-22. https://doi.org/10.1590/s0104-026x2005000100002

Scott, Joan (1999). Experiência. Santa Catarina: Editora Mulheres.

Scott, Joan (2005). O Enigma da igualdade. Estudos Feministas, 13(1), 11-30. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v13n1/a02v13n1.pdf

Spivak, Gayatri (2010). Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG.

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM
Copyright (c) 2019 Melina Garcia Gorjon, Danielly Christina de Souza Mezzari, Laura Pampana Basoli